sexta-feira, 21 de maio de 2010

Viagem Interminável

E o colibri faz o ninho no coração dos lírios negros
Vem!
Amar-nos-emos nas ruínas majestosas de um templo azteca
Serás o meu ídolo
Um ídolo colorido infantil um pouco feio e bizarramente estranho
Oh , Vem!


Se quiseres vamos de aeroplano e sobrevoamos a região dos mil lagos
As noites ali são desmesuradamente longas
O antepassado pré-histórico terá medo do meu motor
Aterrarei
E construirei um hangar para o meu avião com os ossos fósseis de mamute
O fogo primitivo aquecerá o nosso pobre amor
Samovar
E amr-nos-emos bem burguesmente perto do pólo
Oh, vem!


-"Poesia em Viagem" - Blaise Cendrars