quinta-feira, 6 de maio de 2010

O PEQUENO-ALMOÇO


«A dois passos de Sogliano o dono da loja onde se vende de tudo comprou uma pequena igreja abandonada na floresta que lhe serve de armazém para as pias a vender às pensões da praia.
Um domingo de manhã abre o cadeado e fecha-se lá dentro para contar os montões de pias que cobrem as paredes e os frescos corroídos pelo bolor.
Acabada a contagem vai descansar no degrau do altar e descobre que ali ao pé há um tabuleiro com uma chávena fumegante e duas fatias de pão com manteiga. Olha em redor de olhos arregalados porque precisamente nessa manhã não tinha tomado o pequeno-almoço. "Bem, entrei sozinho e fechei-me à chave cá dentro. Então quem terá sido?" Desde esse dia a sua cabeça está cheia de preocupações que antes não tinha.»
Tonino Guerra, O Livro das Igrejas Abandonadas, Assírio&Alvim, 1997