quinta-feira, 26 de maio de 2011

«Ariza passou o resto da tarde a comer rosas e a ler a carta... e quanto mais lia mais rosas ia comendo»