quarta-feira, 25 de maio de 2011

Felizmente ainda há espaços sem sentido que nos deixam respirar