segunda-feira, 16 de maio de 2011

matando Caetano

A tua acção depende, então, da minha. Depende de mim o princípio, depende de mim o fim. Escolho quando vens, quando vais. Digo: quero-te. E as minhas palavras têm a duração da tua fé, não em mim, em ti. Tu dizes: dormiste com? É a fé a faltar-te. Whatever works, em jeito de resumo. Certo, errado, bem, mal, verdadeiro, falso – quem dita? Importa reconhecer o limite: a dor, própria ou alheia.