sexta-feira, 6 de maio de 2011

Vidrado


Se a chuva parasse
continuarias a não estar aqui
pelo que prefiro que a chuva prossiga
como sulfúreo castigo;

se te olho através da vidraça
é porque penso ser um dia o namorado
fantasma
a espreitar-te do pára-brisas estilhado
como de insistente postigo.


Daniel Jonas, Os Fantasmas Inquilinos
Cotovia