domingo, 19 de junho de 2011

break free

Às vezes penso que era só fazer camas num hotel, servir cafés numa esplanada, ler livros ao fim do dia, ver uns filmes de vez em quando. Está feito, é uma vida. Não tenho que me justificar, bem sei. Acontece que não conseguia adormecer por causa disto, deste impasse, desta indecisão, e o que agora escrevo é ensaiado, linha a linha. Como uma nota de suicídio. (Será que hoje, antes de cortar os pulsos ou enfiar a cabeça no forno, se deixa um post num blogue qualquer?) Uma pessoa passa a vida toda em busca de compromissos e um dia descobre que nunca mais terá força para se libertar. Quer, mas não pode. Este blogue é isso, o compromisso em que amanheço reclusa. Sendo assim, 'tá no ir.