domingo, 5 de junho de 2011

expiação

muitas vezes dou por mim a escrever sem qualquer vontade. escrevo o que vejo, o que penso, sem grande estilo, sem qualquer convicção. não sei se me frustra mais o não escrever, de todo, ou essa escrita mal amanhada de quem se arrasta pelas frases como pela lama. nada soa muito bem, nada é completamente justo, nada é digno de registo. ando periférica, cheia de pele, toda olhos. e por dentro? nada.