quarta-feira, 12 de junho de 2013

[...]

Tenho a certeza que neste preciso momento, algures no mundo, uma mulher cheira as suas próprias mãos e que, ao fazê-lo, fecha ligeiramente os olhos. Dir-se-ia que brilha no escuro.