quinta-feira, 6 de junho de 2013

prove que não é um robô






sou dentro de mim o que quer fugir
embora vá recusando a cada bafo
o panorama dos astronautas


tiro notas
dos calendários gigantes
das marés do sol e da lua
do rasto agrícola das nossas mãos
sobre a mesa


de madrugada
remo como exilado inca
em direcção à luz


se ainda me for fácil mentir direi
é afinal a única substância do poema
este cigarro entre estrofes

Miguel-Manso, "Contra a Manhã Burra", Mariposa Azual, 2009