sexta-feira, 14 de junho de 2013

Qual é o prazer da mão?

Quando me apalpo, a mão não sente nada. E quando te apalpo, igual. Isto provoca em mim imenso espanto, em ti não? Dei por mim a pensar que, quando me apalpas, a tua mão também não sente nada, isto é, que a minha nádega é só uma ideia no triângulo da tua imaginação. Se a mão sentisse prazer eu estaria, neste momento, refastelada no teclado. Há muito tempo atrás, quando eu tentava conhecer a sensação das minhas pernas, também me zangava por não ser capaz de sair das mãos. Percorria uma perna, depois a outra, e isso não me dava prazer nenhum. Tudo o que me restava era imaginar as tuas mãos na esperança de que elas sentissem qualquer coisa que eu não podia sentir. Curiosamente, pensar nas tuas mãos dava-me prazer.