segunda-feira, 15 de julho de 2013

Inaugurar sentimentos, o amor por vir

   
     «Vivia só com os gatos, deixara de parte a vida com os outros seres humanos e, todas as noites, aquela senhora, antes de adormecer, metia no seu leito um livro, um objecto ou uma carta, para reencontrar, em seus sonhos, as coisas que amava. Um dia, sobre um dos travesseiros, poisou uma pena que um jovem amante lhe oferecera.
     E o rapaz sonhou que a matava.»

Tonino Guerra, "Histórias para uma Noite de Calmaria", Assírio & Alvim, 2002