quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Foi pelos seis anos, depois de ter cortado as unhas, arrumado os ténis no quarto e de ter comido sopa de ervilhas, que Kant descobriu que era livre.

Ah, nada como fazer aquilo que se odeia.