sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Tenho pensado nos símbolos do quotidiano - em como tudo se funde.