quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Escrevo uma carta. Não é a primeira nem a segunda. Não envio.

A razão é esta: todos os dias venho para casa com um plano qualquer e todos os dias adormeço por cumprir-me. Suponho que seja uma das doenças do século, hipertrofia do tempo. É verdade que passei a sopa e que, sem as cascas da ervilha, foi muito mais agradável jantar.