sábado, 1 de fevereiro de 2014

lunch time

continuo a não conseguir movimentar-me no trânsito da vida. leio - e enquanto leio o meu rosto parece iluminar-se, se não por fora, pelo menos dentro, onde o calor ascende. leio sobre a alegria - e alegro-me. mas quando paro de ler depressa entristeço. sou como um animal que precisasse de ser alimentado a toda a hora para viver, para não morder.