segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

vais arrepender-te do dia em que me deixaste trazer o teu kindle para casa (provavelmente no dia em que o quiseres usar e eu estiver calmamente numa esplanada da Sertã a ler o capítulo sobre a Madeira)

O marroquino, instruído ou não, pura e simplesmente não acredita em germes. Todos os aspectos da sua vida quotidiana dão disto uma prova eloquente. Uma das mais divertidas é a banca de aluguer de chupa-chupas no bairro de Guerniz onde as crianças pagam de acordo com o tempo em que mantêm o chupa-chupa na boca.  
"Mas os germes existem", reclamas tu. "Podes vê-los ao microscópio." O teu calmo companheiro responderá: "Para ti eles existem, logo poderão fazer-te mal. Para nós só existe a vontade de Alá."

Paul Bowles, Travels - Collected Writings 1950-93 [e-book: 2012, ed. Sort of Books]