terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Do Processo



- Para quem escreve?
- Não escrevo para ninguém em especial. É a última das coisas, baixar-me a tal! Escreve-se pela própria coisa.
- Contudo dirige-se às pessoas. Fala-lhes, interpela-as, desculpa-se por esquecê-las...
- É um truque. Na verdade desprezo-as. O que elas pensam ou deixam de pensar!... Se você se ocupa do que elas pensam, precisa dos leitores, do leitor, está tudo dito!...Não, necessidade não, ele lê, tanto melhor, se não gosta, tanto pior!
- Você sempre escreveu aasim, esquecendo o leitor?
- Sempre.

(retirado da entrevista a Louis-Ferdinand Céline)