terça-feira, 12 de janeiro de 2010

LVII Alegrias da Aurora



"Gosto da aurora, das sombras roídas pela claridade. Os telhados do parque tornam-se pouco a pouco visíveis.
O odor da noite, do suor e dos prazeres de que nos recordamos aos poucos, à medida que nos vamos despindo deles. Pouco a pouco a aparência retorna aos corpos, enquanto os vamos escondendo e maquilhando.
A água fresca sobre os olhos e na garganta."


-" As tábuas de Buxo de Apronenia Avitia" - Pascal Quignard