quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

a poesia não me interessa #13



O Espelho de Água


O meu espelho, correndo pelas noites,
Torna-se arroio e afasta-se do meu quarto.

O meu espelho, mais profundo que a orbe
Onde todos os cisnes se afogaram.

É um tanque verde na muralha
E no meio dorme a tua nudez ancorada.

Sobre as suas ondas, debaixo de céus sonâmbulos,
Os meus sonhos afastam-se como barcos.

De pé sobre a popa ver-me-eis sempre a cantar,
Uma rosa secreta cresce no meu peito
E um rouxinol ébrio esvoaça no meu dedo.


Vicente Huidobro

in "O Mar na Poesia da América Latina", Assírio & Alvim, 1999