sábado, 24 de abril de 2010

bunker

do que há para dizer apenas muito pouco tem realmente que ser dito. percebo dos textos de Morelli essa necessidade de corte, de redução, de despojamento - léxico, estilo, forma. tenho escrito sem escrever. a minha cabeça está povoada de habitantes. Morelli talvez ficasse insatisfeito com a frase anterior. O que é um habitante? Como é que ele pode estar na minha cabeça? Porque é que digo "habitantes" em vez de dizer a verdade? Ninguém habita a minha cabeça.