terça-feira, 13 de abril de 2010

«Migrando» de Mariana Chiesa Mateos



Este livro conta duas versões de uma história possível, narrada através das ilustrações (o único texto é o do prefácio ou, neste caso, dos dois prefácios, conforme se abrir o livro de um lado ou do outro).
De um lado temos a velha migração da Europa para as Américas, fugindo à guerra e procurando novas oportunidades e, do outro lado, a nova migração, agora em direcção à Europa, fugindo de outras guerras, da pobreza extrema, da fome.
Suponho que a autora do livro, descendente dessas aves-pessoas migratórias (que, devido às circunstâncias históricas, foram parar à Argentina) pretenda - também através da analogia com as aves - questionar a existência das fronteiras, dos entraves à migração, das políticas que circunscrevem o terreno onde podemos viver.
É um livro delicado e que, num tempo em que nas escolas se juntam cada vez mais crianças de diversas origens, histórias e línguas, faz sentido mostrar. Não tem uma «moral» e, por isso, é um campo aberto à sensibilidade.
Nota:
Quando eu era pequena costumávamos cantar na escola uma gaivota voava voava / asas de vento, coração de mar / como ela, somos livres / somos livres de voar.
Este livro passa mais ou menos a mesma ideia mas sem o terrível tom dos 80's.