segunda-feira, 5 de abril de 2010

rayuela

vou sendo a Maga a cada página que leio (esplanada, livro no colo). mas não essa Maga que tu, em que café, meu deus, terás visto - essa outra, mais evidente e certa, que terás procurado na pont des arts enquanto eu, em lisboa, tinha a minha dose de madame Léonie. há mil maneiras para se conhecer uma pessoa mas a minha preferida é ir lendo todos os teus livros porque «o tempo de exposição era toda a tua biblioteca».
"Não me parece que o pirilampo extraia grande vantagem do facto incontornável de ser uma das maravilhas mais fenomenais deste circo, e no entanto basta supor nele uma consciência para compreender que, sempre que a sua barriga se acende de luz, ele deve sentir uma espécie de sensação de privilégio", é o que diz o Cortázar.
A aposta ainda está a valer.