segunda-feira, 5 de abril de 2010

a temperatura do corpo #2



«Na mulher sem sexo, lisa e fechada, hermética e toda branca, depilada e sem pregas, os seios ganham uma importância suprema. Nada distrai da tentação dos seios, e isso dá-lhes uma esfericidade suprema. Há-de esgravatar toda a vida o homem neste seios solitários, e dar de beber à sua sede com as suas mãos , tal como se bebe nas fontes mais cristalinas e puras. Nessa mulher sem sexo a elevação dos seios é prodigiosa, radiante, e a feminilidade está neles sem se esbanjar, sem se perder, sem encontrar saída. De facto, se jamais encontrámos esses seios da mulher sem sexo, não vimos os seios em toda a sua apoteose.»

Ramón Gómez de La Serna, "Seios", Edições Antígona, 2000