terça-feira, 8 de junho de 2010

Onde vais Drama-Poesia?


Porque
Começava assim: vi-a de costas, ainda
nua: o redactor pensou em deus e na mulher,
únicos objectos sonoros da
mais espalhada
lira.
Ou flauta? Mas não deve ser.
Quando já se viu o sátiro preocupar-se com deus?
Nenhum leitor de poesia grega ou bucólica
se lembra disso.

Mas, voltando à lira...
vemos que se ocupa pouco da mulher
terrestre, com um corpo aberto à sedução. Ou só raro.
Porque é mágica, obcecada pela mulher
celeste
que criou os céus e a terra,
separou as águas,
semeia inquietações nas cordas da lira. Ou esta não tem
cordas para esse evento.


- Maria Gabriela Llansol -