quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

e por trás das costas do fotógrafo, o que havia?



«(...) Fora de um certo vício propenso ao decorativo - porque é necessário decorar os muros do asilo -, e à semelhança do temente homem primevo, furto-me à fotografia, ao registo antropométrico. Porque o retrato constitui um vínculo, em que o mecanismo que acciona o obturador é o ponto de apoio para a alavanca de alguém vivo que quer fazer rolar um morto.»

(Paulo da Costa Domingos)

fotografias de José Francisco Azevedo | textos de Emanuel Cameira, Manuel de Freitas e Paulo da Costa Domingos | paginação de Inês Mateus | 250 exemplares numerados e assinados