quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

introdução

O mundo, apesar de tudo, continua a ser muito parecido com o pátio da minha escola. E as personagens, claro, desempenham os seus papéis com uma entrega quase esquecida - o hábito. Sempre houve, na escola secundária, clichés para todos os gostos: as miúdas muito giras que se acham muito feias, as conflituosas, as que se sentam nas primeiras mesas e, embora não aprendam grande coisa, sabem manter um olhar vivo e atento, as que estão sempre sozinhas à hora do almoço, sentadas no corredor onde uma hora depois começará a aula de inglês, e por aí fora. Falo de miúdas pura e simplesmente porque a minha relação com o mundo foi construída sobretudo a partir da minha relação com as mulheres, relações que, em geral, traziam maiores revelações que aquelas outras, com os rapazes, quase sempre num só sentido - o do beijo atrás do pavilhão.