sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011





O erotismo e a arte

Entendemos de um modo muito mais nítido o que são os estímulos fundamentais, os verdadeiros estímulos do erotismo quando os comparamos com outros processos por intermédio dos quais a imaginação se exprime com energia, em particular com os da criação artística. Estamos, neste caso, em presença de um parentesco profundo, quase se poderia dizer de um parentesco de sangue, pois, no ato do artista, entram em ação e emergem, sob as forças individualmente adquiridas, forças arcaicas de uma apaixonada emoção. Ambos os casos integram misteriosas sínteses do passado e do presente, o que constitui a experiência fundamental, e em ambos existe a embriaguez de sua interação secreta. Nessas obscuras regiões de fronteira, pouco ou quase nada foi ainda estudado sobre o papel que pode desempenhar, em um caso como em outro, o plasma germinativo; mas como o instinto de criação estética e o instinto sexual apresentam analogias tão extensas, o êxtase estético desliza insensivelmente em êxtase erótico,e este tenta involuntariamente se dotar de um adorno estético - ou talvez tenha revestido directamente a animalidade, tendo o corpo como matéria de criação. Tais fatos parecem demonstrar um crescimento germinado a partir da mesma raiz.
(...)

Reflexões sobre o problema do amor e o erotismo Lou Andreas-Salomé
Landy Editora, 2005