quinta-feira, 10 de março de 2011

estilhaços da madrugada (chi)



"Esqueçamos as palavras, as palavras:
As ternas, caprichosas, violentas,
As suaves de mel, as obscenas,
As de febre, famintas e sedentas.

Deixemos que o silêncio dê razão
Ao correr do meu sangue no teu ventre:
Que palavra ou discurso agora pode
Dizer amor na língua da semente?"


-"Poesia 70"- José Saramago